Mário Almeida pediu fiscalizações aos executivos de Vila do Conde desde 1974 a 2021

“Vila do Conde sempre foi um concelho gerido sob as normas de rigor e de bom senso e exijo que tal seja novamente reconhecido pelo Estado. Para isso, solicitei há dias, por escrito, à Procuradoria-Geral da República, ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas e à Inspeção de Finanças que procedam, com a maior urgência possível, a uma rigorosa ação inspetiva à gestão financeira e aos procedimentos administrativos adotados pelas Câmaras Municipais de Vila do Conde pós-25 de abril de 74 até 2021, nomeadamente quanto aos empréstimos bancários contraídos, às aquisições e fornecimentos sem concursos, bem como à forma como foram adjudicadas obras e suplementos de trabalhos a mais”, foi esta a declaração final de um longo discurso de Mário Almeida na sessão de apresentação do seu livro “Vila do Conde um município respeitado e admirado com história e futuro”.

A cerimónia aconteceu no Teatro Municipal, no último sábado, às 15h30, com apresentação do jornalista João Ricardo Pateiro.

Perante um Teatro cheio, o antigo presidente da Câmara de Vila do Conde, durante 32 anos, apresentou a sua obra ao longo de quase duas horas, acompanhado de projeção de fotos dos projetos, em que assenta o desenvolvimento do município durante a sua gestão.

O antigo autarca e histórico do PS, não se poupou a conselhos ao atual chefe do executivo municipal, Vítor Costa, um dos elementos presentes na mesa de honra (ao lado de Fernando Gomes, Luísa Salgueiro, Macedo Vieira e Padre Lino Maia), dando dicas tal como a de rebatizar a Avenida do Ave para Avenida do Ave Dr. Pacheco Ferreira.

De resto, Almeida revelou que era o Dr. Pacheco Ferreira o seu escolhido para o suceder como presidente de Câmara, assim pensava quando o convidou para integrar os seus últimos mandatos na autarquia. Mas essa intenção viria a ser gorada pela morte do médico, o que obrigaria Almeida a fazer outra opção, recorde-se, por Elisa Ferraz.

O rumo de Vila do Conde foi diferente do que havia idealizado durante oito anos, com os dois mandatos de Elisa Ferraz, e, talvez por muitas acusações se terem trocado nos últimos anos entre diferentes personalidades na política, Mário Almeida aproveitou para anunciar este pedido de fiscalizações por si pedido a diversas entidades nacionais. Tal como sublinhou no Teatro Municipal, no sábado, Mário Almeida quer que as conclusões das inspeções sejam divulgadas à comunicação social.

Assim, frisou, todos poderão concluir “quem foi ou não foi rigoroso no serviço à autarquia e aos vilacondenses”.

Mário Almeida pediu fiscalizações aos executivos de Vila do Conde desde 1974 a 2021

| Noticias |
About The Author
-